Portal do Governo Brasileiro
Título da página O que é o projeto

A história do projeto Melhores Práticas

Entre as diversas iniciativas destinadas a fomentar o plano de desenvolvimento da Educação e a agilizar e aperfeiçoar o sistema de gestão existente, a Subsecretaria de Assuntos Administrativos - SAA do Ministério da Educação concebeu um projeto que possibilitou o conhecimento das "melhores práticas" existentes na Rede Federal de Educação.
Segundo este órgão, "melhores práticas" consiste em formas identificadas para a execução de determinada ação, processo ou projeto, com vistas à eficiência e eficácia e, consequentemente, à excelência em gestão.

Assim, o Projeto "Melhores Práticas na Rede Federal de Educação" tem como objetivo incentivar a cultura da excelência e da melhoria contínua, por meio do mapeamento e divulgação das melhores práticas implementadas no âmbito das Instituições Federais de Ensino - IFEs e dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - IFETs, em busca da obtenção de um desempenho superior.

Dentre as inúmeras áreas (possíveis de constatação de práticas interessantes na Rede Federal de Educação), foram priorizadas, para o presente Projeto, as seguintes categorias: Gestão de Pessoas, Recursos Logísticos e Eficiência do Gasto.
Tal limitação, contudo, não descartou outras iniciativas igualmente relevantes que pudessem ser apresentadas no âmbito desse projeto que foram acolhidas pelo Comitê Gestor, ainda que não tenha sido abordado nenhum dos temas acima elencados.

Com o intuito de definir parâmetros de comparação entre as diversas práticas, os organizadores do Projeto solicitaram às Instituições que considerassem, essencialmente, os seguintes aspectos: objetivos, descrição da situação anterior à prática, descrição das etapas de implementação, obstáculos encontrados e soluções adotadas, métodos de monitoração de resultados, recursos utilizados para implementação da prática e principais resultados quantitativos e qualitativos alcançados.
É certo que, em resposta, os responsáveis pelas práticas se empenharam ao máximo em fornecer dados considerados suficientemente relevantes acerca das práticas. No entanto, é interessante notar que não houve uma uniformidade no trato que cada uma das instituições deu aos textos de detalhamento aqui reunidos.
Expandir Texto
De maneira geral, os aspectos sugeridos foram contemplados em quase todos os textos, cuja maioria introduziu, ademais, com muito bom discernimento, informações adicionais e anexos que enriqueceram o trabalho. As Instituições dão prova da importância das práticas nas suas descrições, identificando seu potencial em trazer resultados positivos dentro do objetivo a que se propõem.

Alguns textos, sobretudo, temperam a objetividade com certo grau de paixão pela iniciativa germinada e cujos frutos já puderam ser colhidos.

Em seu conjunto, contudo, os textos aglutinam informações que constituem um rico arsenal de iniciativas que certamente terão o condão de gerar mudanças significativas no âmbito da Rede Federal de Educação, seja na solução de problemas, seja na melhoria de procedimentos.

Assim, no presente trabalho, serão apresentadas dez práticas, selecionadas dentre as quase cinquenta iniciativas inscritas pelas Instituições de todo o país. A tarefa de seleção foi extremamente difícil, dada a importância de cada idéia inovadora trazida pelas Instituições que colaboraram com este Projeto, especialmente no que se refere à otimização de rotinas que, muitas vezes, sobrecarregavam e oneravam a estrutura e o pessoal dessas Instituições.
Diminuir Texto
Titulo Introducao PROJETO MELHORES PRÁTICAS NA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO

A Secretaria Executiva por meio da Subsecretaria de Assuntos Administrativos, órgão setorial do Ministério da Educação, coordenou durante o exercício de 2010 o primeiro ciclo do "Projeto Melhores Práticas na Rede Federal de Educação do MEC", entendendo-se como "Melhores Práticas" os modelos identificados como melhores para executar uma ação, processo ou projeto, com vistas à eficiência e eficácia e, consequentemente, à excelência em gestão.

O "Projeto Melhores Práticas na Rede Federal de Educação do MEC" foi estruturado e proposto para promover estudos técnicos e analíticos, por parte de especialistas, visando ao aperfeiçoamento dos processos gerenciais, nas áreas de Gestão de Pessoas, Eficiência do Gasto Público, Recursos Logísticos e de outras práticas junto à Rede Federal de Educação, com o objetivo de agilizar e aperfeiçoar o sistema de gestão existente, para fomento do Plano de Desenvolvimento da Educação - PDE.

Com a implementação do "Projeto Melhores Práticas na Rede Federal de Educação do MEC", foi possível promover o mapeamento e análise das melhores práticas existentes na Rede Federal de Educação, iniciativa de fundamental importância no processo de melhoria e inovação da gestão, com a busca, adaptação e aplicação de novas técnicas, ferramentas e práticas para os métodos ora aplicados.

Para seleção das dez "Melhores Práticas", entre os 45 projetos inscritos, conforme regulamento do certame para o primeiro ciclo do "Projeto Melhores Práticas na Rede Federal de Educação do MEC", foi instituído um Grupo de Trabalho composto por servidores de Instituições Federais de Ensino Superior, dos Institutos Federais de Educação Ciência e Tecnologia e dos Hospitais Universitários, além de representantes das Secretarias de Educação Profissional e Tecnológica, da Educação Superior e da Subsecretaria de Assuntos Administrativos do MEC.

Ainda para a primeira versão do concurso, as três primeiras práticas classificadas, estão sendo premiadas graças às parcerias firmadas junto à Unesco - primeiro lugar, ao Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Alagoas - segundo lugar e à Escola Nacional de Administração Pública - terceiro lugar. As parcerias dessas instituições com este ministério, para atender ao "Projeto Melhores Práticas na Rede Federal de Educação do MEC" foram de extrema importância para a participação dos servidores públicos federais envolvidos, e o sucesso obtido serve de estímulo para que o Ministério da Educação assegure a segunda edição do projeto Melhores Práticas na Rede Federal de Educação.

Titulo Avaliacao Ficha de avaliação

Foram desenvolvidos critérios de avaliação para selecionar as dez práticas consideradas mais relevantes, pela Comissão instituída por meio da Portaria n° 252, DE 19.11.2010

Titulo As 10 Mais AS DEZ PRÁTICAS SELECIONADAS
  • Ante o vasto campo de inovações apresentadas pelas Instituições participantes do Projeto, é possível perceber que muito já se colheu, mas também que há ainda um longo caminho a se trilhar em busca de uma maior eficiência na gestão das instituições com o aperfeiçoamento dos processos de planejamento e a adequação das estratégias, para que entrem em sintonia com as crescentes demandas exigidas por uma sociedade em constante transformação.

    Para isso, espera-se que esta iniciativa da Subsecretaria de Assuntos Administrativos do MEC, no sentido de agrupar, destacar e disseminar as melhores práticas implementadas no âmbito da Rede Federal de Educação, possa constituir um incentivo constante à busca de inovações a fim de refletir o cuidado dos gestores com suas instituições, na certeza de que, num universo de mais de cem Instituições, será possível encontrar ainda um número muito maior de iniciativas igualmente dignas de aplauso.
    Este documento, portanto, é resultante dos reconhecidos esforços de ponderável número de pessoas, que se comprometeram por acreditarem no propósito de que um mundo melhor se faz com boas práticas.

  • Na Região Centro-Oeste, destacou-se a prática trazida pela Universidade Federal de Goiás.

    UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

    A prática consiste na "racionalização de despesas com telefonia por meio da reestruturação dos recursos físicos e do sistema de serviços". Esta prática trouxe como inovação a apurada atualização em termos de tecnologia nos serviços de telefonia, obtendo-se a ampliação e a melhoria na qualidade dos serviços, com uma redução extremamente significativa de seus custos e o consequente atendimento à demanda reprimida de pontos de telefonia na UFG.

  • Como expoentes da Região Nordeste, foram selecionadas as práticas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE.

    UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN

    A prática da Instituição consiste na "automação do processo de aquisição de material informacional na UFRN: fluxo do docente ao fornecedor", na qual observa-se uma maior agilidade do processo licitatório para compra desse material; economicidade dos contratos resultantes da licitação, e melhor acompanhamento da execução dos contratos, contribuindo para o planejamento do processo de compras compartilhadas já em andamento no âmbito desta Subsecretaria de Assuntos Administrativos.

    INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ - IFCE

    Já o IFET do Ceará contribuiu com o projeto por meio de prática de sistema capaz de reaproveitar praticamente toda a água utilizada para a produção de água destilada no laboratório do Instituto, com investimento relativamente pequeno e resultados significativos, tanto em termos quantitativos, no tocante à economia obtida e qualitativos, no que se refere à sustentabilidade.

  • A Região Sul é representada pelas práticas trazidas pelo Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, pelo Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Santa Catarina e pela Universidade Federal de Santa Catarina.

    HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

    Esse Hospital de Clínicas apresenta a prática denominada "gerenciamento dos contratos de comodato no laboratório de análises clínicas do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná", consiste em uma nova forma de pagamento desses contratos de locação de equipamentos que realizam análises clínicas, gerando a otimização dos recursos financeiros, bem como a melhoria no processo de negociação com as empresas fornecedoras e no atendimento aos usuários.

    HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

    Quanto ao Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, por sua vez, participa do Projeto com a prática "Hospital 5 estrelas", que consiste na estratégia de marketing que objetiva o envolvimento da comunidade interna no cumprimento de diferentes etapas de um programa de qualidade criado pelo Hospital, o Programa de Acreditação.

    UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA.

    Por fim, a Universidade Federal de Santa Catarina traz ainda como contribuição a prática "VoIP - Serviço de Telefonia IP Acadêmica e Telefonia IP Corporativa", que busca, por meio da migração de um parque convencional de telefonia atender à crescente demanda por telefonia. Com relevante economia, o VoIP permite a comunicação sem custos intra-campi e com outras universidades do país e também do exterior.
    Ademais, o domínio dessa tecnologia permite melhor segurança para a tomada de decisões no que se refere ao ambiente constantemente inovador no setor de telecomunicações.

  • Na Região Sudeste, destaca-se, primeiramente, a prática elencada pela Universidade Federal de Uberlândia e outras práticas selecionadas que foram apresentadas pelo Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais.

    UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

    A prática elencada pela Instituição é denominada "Sistema de Gestão Patrimonial", que consiste no acompanhamento de todo o ciclo do bem patrimonial no âmbito da Instituição, mediante a utilização de um sistema simples, com uma interface de fácil compreensão ao usuário, gerando, maior agilidade e confiabilidade na tramitação dos processos, além de conferir transparência às operações efetuadas.

    HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

    O Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais apresentou três práticas, sendo a primeira denominada "Monitoramento de Indicadores de Desempenho como Ferramenta para Gestão Estratégica de Recursos Humanos". Esta prática que demonstrou ter alcançado melhores condições para o ambiente organizacional e para a qualidade de vida no trabalho levando em conta variáveis como taxa de absenteísmo, rotatividade, horas extras, acidente de trabalho.

    HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

    A segunda prática trazida pelo Hospital chama-se "Programa de Capacitação Profissional", busca qualificar os servidores em consonância com as metas institucionais, promovendo qualidade de vida no trabalho e progressão profissional por capacitação e qualificação.

    HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

    Por fim, o Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais apresentou mais uma prática chamada: "Teleassistência para Municípios Remotos do Estado de Minas Gerais: Ampliando a Atuação Geográfica dos Hospitais Universitários". O projeto foi desenvolvido em parceria com o Governo visando apoiar as equipes multiprofissionais que atuam em Municípios remotos do Estado, o qual - por meio de atividades de teleassistência e tele-educação a estes profissionais, possibilitando a educação permanente dos profissionais de saúde, a redução do número de encaminhamento de casos à atenção secundária, por meio da economia de recursos aos Municípios e o fortalecimento da atenção básica à saúde.

Titulo Downloads Faça o download da ficha de inscrição e dos critérios de avaliação
Título Metas do projeto.
  • Divulgação dos três melhores projetos no segundo semestre
  • Informação da data da entrega dos prêmios no segundo semestre.
  • Lançamento do 2º ano do Projeto Melhores Práticas da Rede Federal de Educação, no segundo semestre
Título Últimos comentários. O "Projeto Melhores Práticas" foi desenvolvido pelo Ministério da Educação em 2010 a fim de mapear, disseminar e premiar experiências exitosas identificadas no âmbito das Instituições da Rede Federal de Educação. O Projeto pretende estimular a busca contínua por uma maior eficiência da gestão, contribuindo, assim, para o desenvolvimento das Instituições da Rede. A idéia central do Projeto está relacionada à aprendizagem. Aprender com as boas práticas dos outros e, assim, implementar melhorias ou solucionar problemas com base nas práticas que outras instituições já demonstraram ser eficazes.